Menu

Detalhes

20 Ancoras

20 Ancoras

autor:
Celso Prei
 
editor:
Sociedade Portuguesa de Autores
 
 
ano de publicação:
2019
 
idioma:
Português
 
ISBN:
9789899672512
 
nº de páginas:
1474
 
formato:
ileio (leitura online e APP)
 
pré-visualização: Abrir

É uma obra que reúne todo o melhor de Celso Prei entre 1998 a 2018 em várias áreas de escrita e métodos diferentes de descrever com uma linguagem de entre linhas e de sabedoria de vida. Celso Prei é natural de Soure em 1984, é licenciado em Arte e Design pela Escola Superior de Coimbra, tendo inúmeros formações em diversos ramos de ensino, mas o que mais se destaca é em Pintura e ESCRITA. Sendo um artista e escritor com trabalho internacional. Áreas de Intervenção História de Portugal.PDF; Literatura Infantil e Juvenil Poesia. PDF Teatro Romance. Novela. Conto. Histórias. PDF Ensaios. PDF Arte em geral. Teoria da Arte. Filosofia da Arte Filosofia do espírito website: www.celsoprei.weebly.com

Celso Prei 1 Estória introdutiva 9 Viver 10 Obra de Arte (pintura entregue a DEUS) 12 Nova pintura 2016- 2019 58 LAÇOS DE Açores 355 Primeiro é o amor 404 Historias infantojuvenis 432 Desejo d’um pequeno futebolista 432 do Prei 432 Menino Guloso 438 Celso Prei 438 Menino dos porquês 442 De Celso Prei 442 Espectáculo de dia 445 Celso Prei / Celso Martins Pereira 445 Flauta Mágica do Faraó 448 Celso Prei / Celso Martins Pereira 448 A cabrita e o pai norueguês 451 Celso Prei / Celso Martins Pereira 451 Sonho da Abelha 454 Celso Prei / Celso Martins Pereira 454 Uma Sereia 458 Celso Prei / Celso Martins Pereira 458 Viagem 461 Celso Prei / Celso Martins Pereira 461 Antídoto do orgulho… 463 Celso Prei 463 Providência da liberdade 464 De A. in Celso prei 464 Nuvem Mágica 466 Celso Prei 466 Um sonho plantado 468 Celso Prei 468 Um herói de amor 470 Celso Prei 470 Trilho na glória 472 Celso Prei 472 Só falo português 475 Celso Prei 475 Rouxinol e a Rosa 478 Oscar Wilde 478 Porquê pintar? 482 Celso Prei / Celso Martins Pereira 482 Flor pintora 485 Celso Prei / Celso Martins Pereira 485 Olhos a brilhar! 486 Celso Prei 486 Kuala o comilão 487 De Prei 487 A joaninha de flor em flor 489 De A. in Celso Prei 489 A pegada do amor 490 Celso Prei 490 As criaturas do Criador 491 Celso Prei 491 Elefante Sonecas 493 Celso Prei 493 Estou salvo! 495 Celso Prei 495 Estudar… não? 497 Celso Prei 497 Fim do arco-íris 498 Celso Prei 498 Flor do Amar 500 Celso Prei 500 O “não” não existe! 501 Celso Prei 501 Glória de Amor 502 Celso Prei 502 Primeiro Sorriso 503 Celso Prei 503 História do feijão no Céu 505 Palavra de Jesus e sabedoria 506 Velho Camionista 508 adorar o menino 510 de 510 Celso Prei 510 A Procura de ser Feliz 512 de 512 Celso Prei 512 Sol Prateado 526 Vaca Azul 532 Em Prei 532 SEXO E AMOR (sabedoria) 536 De 536 Celso prei 536 Águas escritas 539 Poesia 557 A Paz de um Anjo 570 Aperitivo poético 631 Diario 20 726 Diário Poético 23 735 De 735 Celso Prei 735 Diário poético 1 747 1 Poesia 747 2 Tu, fogo sem cor 748 4 Escuridão 749 6 Nasci... como? 750 8 Sublimes montes acentuados (Carla Tomas) 752 10 Perda na estrada 752 Talvez a noite seja um sonífero 753 11 A madre 753 Esta madre 753 Desenhada nos mapas 753 Do prazer 753 Esta madre das noites 753 Solitárias 753 É uma viúva 753 Sem ter nenhum marido 753 Ela deambula 753 Nas luzes dos candeeiros 753 Na sua própria sombra 753 Em busca de gente 753 Perdia 753 No sexo banal 754 Sei que ela cobra 754 Pelo papel desse oficio 754 Sei que ela dá 754 Um manto de lata de emoções 754 Sei que ela é uma cobra 754 Que gira 754 E torna a girar 754 Nas biscas verdes 754 De papel… 754 12 As fachadas marginais maquiadas 754 As fachadas marginais maquiadas 754 Pela lembrança 754 Pela memória 754 Pela nostalgia 754 Que falam no consciente 754 São memórias pinceladas 754 E novamente pinceladas pelo tempo 754 Pela alma 754 Que o oleiro do destino molda 754 São memórias que a luz entra 754 E se apaga 754 São má memória 754 De uma história infiel 754 Aos sonhos 754 E ao destino é infiel 754 O destino é uma tempestade 754 Que por vezes ganha asas de bonança 754 E de esperança 755 O destino são ondas 755 E as marés transformam-se 755 E dão asas de esplendor 755 À vida 755 14 Persiste uma infância 756 Persiste uma infância 756 16 Num monte sem identidade 757 Num monte sem identidade 757 Fecha-se a persiana da memória 757 Louco, sim louco, porque quis grandeza 757 Fernando Pessoa 757 17 D. Sebastião 757 Louco, sim louco, porque quis grandeza 757 Louco, sim louco, porque quero grandeza 757 19 Noite das ilusões 758 A solidão neste castelo 758 20 Mar que transborda 758 Mar que transborda 758 Mar que transborda 758 22 Quanto… quanto! 759 Quanto desejei! 759 Quanto desejo! 759 Quanto desejarei! 759 … 759 Teu nome ficar sem abrigo 759 Diario Poético 2 774 Diário Poético 3 813 Diario Poetico 4 834 Diário poético 6 888 Carta de amor 888 Cartas de amor 888 Momentos vãos 889 Os momentos que passo sem ti, são momentos vãos, porque tu és o meu próprio tempo e o meu extrato essencial de vida. Em todo o tempo a relíquia da tua aura e do teu sorriso plácido e tranquilo pairam na minha alma, que incendeiam o coração pedido de amores, perdido pelos teus gestos de menina. Um barco de amor naufragou no meu coração doente de paixão, doente de loucura e tudo por ti… 889 Que se abra o pano de um amor de um fulano que amou sem parar para a dor do amar conquistar… 904 A VIDA È POESIA 905 Diário Poético 9 932 Acordar em aviões 970 I Sentido 971 II Sentido 984 III Sentido 997 IV Sentido 1009 V Sentido 1023 Diário Poético 12 1032 Diário Poético 13 1059 De 1059 Celso Prei 1059 1 Tomo o viver para tonar a crescer 1060 Longe estão os campos, do meu coração. 1060 Planícies em bondade, extensa de felicidade. 1060 Longe estão as borboletas, que se dão na barriga, 1060 E por mais que se vasculhe, não encontro intrigas. 1060 Onde procurei-te, e onde te achei, 1060 Cruzei e descruzei, para que fosses minha, 1060 E Hoje a intriga, morreu com um veneno, 1060 (Uma altíssima erva daninha) 1060 Que não teima em viver, por um frasco envenenado, 1060 Erva… maldita erva, que me condenou no sofrer, 1060 Para que pensasse, que o Diabo atropela-se, o nosso viver. 1060 Tudo passou e, o mal não voltou, 1060 Em mim o verbo amor, rimou, 1060 Pela pessoa que hoje e, Agora sou. 1060 De nada sou, mas tudo em Deus me tornei, 1060 Por um amar onde naufraguei, 1060 De tanto sonhar, vejo o meu espelhar 1060 2 Meu Deus de encanto 1060 Bem-haja no coração, 1060 Tudo em ti busco,. 1060 Aí sentinela da paixão 1060 O curioso tesouro, de sensação tal, 1060 Que morrer e, nasce no meu funeral. 1060 Em semente tornei, para ganhar a vida indigente, 1060 E a luz do dia, não padece de anoitecer, 1060 Onde recheio em viver a iluminação, 1061 Dentro do Verbo, sem amargo no coração. 1061 Lanterna mágica, que mágica e fornica, 1061 O tempo em despedida, 1061 Que anda de rota-batida, 1061 Em proas do viver, há a morte no acordar. 1061 Porque amo-te tanto, 1061 Tu és Verbo, de tal espanto, 1061 Meu Deus, de encanto. 1061 3 Nadar em tudo crer 1061 Em tudo que quis, é mais que ser um petiz, 1061 No tornozelo sem pêlo, vejo uma inveja, 1061 Que se enfrasca de álcool, ao meu lado, 1061 Que não é meu recheio. 1061 Satanás que não se ri de mim, 1061 Ao ter Deus com tempo certo, 1061 E tudo é momento, 1061 Quando à luz, letras manifesto a minha ignorância, 1061 De nada saber, e nadar em tudo crer. 1061 4 1061 Encontrei uma luz, 1061 Que olhou para mim, 1061 Que me seduziu, num metro condutor, 1061 Por ter um abraço de amor. 1061 Teu carinho tão especial, 1061 Faz de mim, morrer e padecer no funeral, 1061 Ao partires deixaste um coração vazio, 1061 Sem amêndoa, uva e trigo. 1061 O que posso fazer? 1061 Senão continuar a viver, 1061 O alimento teu… seca a garganta, 1061 Por teres partido, sem esperança. 1062 Numa memória vivo, 1062 Um abraço de interno viver, 1062 Que por inteiro, 1062 Vivo debaixo do sobreiro, 1062 Para ter a luz do teu olhar, 1062 Tão sombria, porque não vejo o teu verbo, 1062 Em mim cantar . 1062 5 1062 Uma flor, rosa simples e, genuína, 1062 Uma flor de cadastro gentil, 1062 E morreu no fracasso, de não ter um frasco, 1062 Onde se semeie as suas raízes, 1062 E o pentágono, habita o falatório, 1062 Nas lombrigas, do estômago, 1062 Para ver se comem mais, 1062 Queridos vermes, de horror face, 1062 Que instalam no intestino, 1062 Para comer merda, que do corpo quer sair, 1062 E no horror o corpo, está cansado e quer dormir. 1062 6 1062 Aleluia chegaste, ao princípio da linha, 1062 Numa fonte de adivinhar, onde há tanto cruzar, 1062 E de tantas cruzes, que levaste de tanto que amaste, 1062 Que há fonte de Água-viva chegarás, 1062 Por tanto amor que dás, 1062 Na terra que de branco, vai o colorir, 1062 Um Deus onde há que divertir. 1062 Chegaste à fonte e, perdeste os horizontes, 1062 Por amor de fronte calçaste a linha, 1062 E centraste na tua maior amiga, 1062 Que é Maria de rosa vestida. 1062 E verdadeiramente amiga, entre as linhas de um tear, 1062 Ouve o acordar de um beijar, 1063 Que encontro o verbo do casar. 1063 7 1063 Bem alto chegas, 1063 Em teu achado, 1063 Nas chamas, do teu punho, 1063 Na força do teu machado. 1063 Nas cinzas a alegria invade em ti, 1063 Por tu conseguires o entoar, 1063 De uma nega à fome da rebeldia, 1063 Que é mais em mim, 1063 Por que tenho, todo nu e amado, 1063 E me consumo em ti, 1063 Deus, Jesus… ressuscitado. 1063 8 1063 Nem toei e voei na vida, 1063 As águas corriam, no desespero, 1063 E no incerto vazio, 1063 Que se encheu de harmonia, 1063 Numa alegria tão professa. 1063 Coragem para vencer o Leão, 1063 Monstro ausente de coração. 1063 Sou mero operário, 1063 De nada autoritário, de nada sanguinário, 1063 O meu sangue jorra, nas colheitas de vinho. 1063 À luz dos teus olhos, 1063 Nunca infame, que a minha fama, 1063 Seja só tua. 1063 Meu amado Jesus, na Cruz crucificado, 1063 E em três dias ressuscitou. 1063 Por ti sacrifico o dia-a-dia, 1064 E em ti encho me de alegria, 1064 Como uma cigarra e formiga falantes, 1064 Que se ajudam mutuamente. 1064 No dia que mais sinto, é quando vivo, 1064 Mais em ti, e mais em ti… Verbo tão Amado, 1064 Na cruz me condeno, na tua versão, 1064 Onde há coração, em alta união, 1064 A grande paixão sobre ti. 1064 9 1064 Por tantos sonhos que vivemos, 1064 Em pedaços de reencontro, 1064 Vejo-te amor em ondulações, 1064 Das cenas cor-de-rosa que passamos. 1064 Tudo é nada, e nada é passado, 1064 Algum tempo é um frasco guardado, 1064 Por ter sido tão amado. 1064 Na réplica que não se torna, 1064 A água da vida destoada, 1064 A gosto de amarga cena, 1064 Que faz nascer oblíquo bínfizema 1064 Por tão doentio, por nada dormir, 1064 Aquilo que fez divertir, 1064 A louca sensação do amar. 1064 10 1064 A relação espaço, no contra balanço, 1064 Faz a procura d’outro caminho, 1064 Deslindar, o encontro para aquele transportar, 1064 Que não faz envenenar, 1064 Aquilo que és, 1064 Busca na procura, 1064 Navega nas ondas de Jesus, 1064 Por todo mar o calçar, 1065 E a tempestade ultrapassar. 1065 11 1065 Deserto em vão, isso é porque não hoje paixão 1065 Quanto maior o pecador, maior o arrependimento 1065 Por aquele que sente que viver no pecado foi tudo um verbo 1065 De vida estragado, e de negrume não quer viver 1065 Por compaixão a Deus quer ter 1065 Num verbo que não contêm fim de bem-querer que faz maior 1065 O viver. 1065 Mikael Jordão Picasso 1075 Dias Sortidos 1081 Diario poético 16 1090 Luar da meia noite 1103 Diário poético 18 1116 Temas de predomínio 1139 Diário poético 21 1151 Diário Poético 22 1159 Poesia marcante 1168 Estou só 1169 Contextualização da Arte Nacional 1194 Bíblia Sagrada de Arte-Luz 1253 És uma mulher de calor 1278 Já não sei o que dizer 1278 Não sou só pedaço de mulher 1279 Tenho bicicleta tão bonita 1280 Só quer é festa 1280 Baladas não-triunfantes 1281 Vou te matar 1281 Tenho uma grande qualidade 1282 Pedaço de céu 1283 Oh mulher neste amar 1283 Onde está? 1284 Nem água do amanhecer 1284 Tenho uma vizinha 1285 A minha mulher está sempre ansiosa 1285 Oh! Mulher que foste ao Brasil 1286 Que boa enfermeira 1286 Caminho dedos sem rumo 1287 Tu casaste por amor 1288 E sou um homem te que perdoa 1288 Tenho uma camisa 1289 Pela noitinha visto a camisa 1289 Não há pedaço do teu viver 1290 Sou playboy que genial profissão 1290 Sou bombeiro 1291 Que belos dentes tem mulher 1291 Sou um verdadeiro campino 1292 Oh que velha comboiada 1293 Na lua escrevo o teu nome 1293 É contigo que conquistarei… 1294 Eu não posso mais 1294 Vou conquistar o mundo 1295 Sem ti Cinderela 1295 Quando te vi 1296 Tudo que descobri 1297 Amor perdido 1298 Sonhos são encantos 1298 Seja por uma aventura 1299 Quando olho para ti 1299 Vem junto de mim 1300 Pregado ao teu luar 1301 Sonhos são encantos 1301 Caminho pela estrada 1302 Estou num embaraço 1303 A minha vida é um areal 1304 Sonhei que um dia 1304 Homem pedra 1305 Parte 2 1306 Poder – mão – sonho 1306 Belos castanhos são incenso 1306 Sonhos são rastilhos 1307 Espero que telefone toque 1308 Para sentir libertina paixão 1308 No oxigénio quente quero voltar 1309 Amanhã é outro dia e tu podes… 1310 Tenho de sair para me divertir 1310 A paixão que nos marca 1313 No tição do fulgor 1314 Que sempre nos vai embalar 1314 Na cidade há pecados, prazeres e emoções 1315 O pecado de te amar demais 1316 Oh Gabiru, quero que digas tu 1316 Este mundo já não é igual 1317 Convido esta donzela no café 1318 Não me peças que eu vou dar 1320 Na profundeza do mar há uma vida 1320 Quero vencer o mundo da tua lembrança 1321 A magia da vida 1322 Os três vértices do ganha-pão 1323 Pois contigo queria estar 1323 Traição e a fatalidade justa 1324 Quero saber o que é a vida 1326 Aldeia e cidade da vida 1327 Lançando beijos – pecado só nossos 1327 Onde está um mundo de respeito 1328 Miro esse trajecto lá no mar 1331 Fado da amada de Coimbra 1331 Deixar os lamentos do tempo que passou 1332 Carta escolar 1332 Darei por mim no céu da felicidade 1333 Amor como o primeiro? 1334 Volta outra vez! 1334 3 Parte 1335 Música da Cidade 1335 Drogas 1337 Guerras 1339 Amo-te 1341 Perdoa-me 1343 Vamos começar de novo 1345 Mendigo 1347 Agressão urbana 1349 É contigo que conquistarei… 1352 Vou conquistar o mundo 1352 Sem ti Cinderela 1355 Quando te vi 1355 Ando à deriva em busca 1356 Fado do rapaz matutino 1356 Tudo que descobri 1357 Sinto que vamos voar 1357 Vem junto de mim 1358 És uma mulher de calor 1358 Sonhos são encantos 1359 Amor perdido (baladas) 1359 Fado da velha camponesa 1360 Quero uma aventura de Romeu (fado) 1360 Suas vagabundas (hiphop) 1360 E quando a noite cai 1362 Já não sei o que sou tem ti 1362 Carta para a Negrinha (hipHop) 1363 4 parte 1364 Chega bem perto, pega em mim 1364 Tens ar de playboy 1365 Menina de tranças agita o bumbum 1365 Vira e toca a dançar 1365 Para esquecer o frick-frick 1365 Para dançar tens de me tocar 1366 És ambicioso e tens um ar genial 1366 Meu doutor, alivia esta dor 1366 Meu doutor cuidado 1367 A tua cola colou o meu coração 1367 Tu tens um camião, eu sou trapezista 1367 Tu és guloso, meigo e atrevido 1367 Tens um lápis para afiar 1368 Vem amor, que vou desfilar 1368 Dança comigo na tentação 1368 Come a carne picada 1368 Sou bombeiro de profissão 1369 Ela sabe fazer um pão de chouriço 1369 Vizinha, tu gostas de martelar 1369 Maria, tu gostas deste gelado 1370 Come a salada Maria 1370 Ó mulher não largues o comando 1370 Sou rachador de profissão 1370 Ó vizinha que porta tão apertadinha 1371 Gosto do teu jeito de ensinar 1371 Eu tenho um camião e tu és trapezista 1371 Há que rico homem 1371 5 Parte 1372 Oh meu amor de perdição 1372 Não vale pena, não 1372 Só penso em ti 1373 Depois de tanto tempo 1373 É a paixão 1373 Porque a minha alma 1374 A paixão dói 1374 Alma, coração, não vai não. 1374 6 Parte 1375 Trabalha… trabalhar 1375 As garras de um leão 1375 Dos castelos eternos do meu amor 1376 O vento de Coimbra 1376 Dor tão fulcral 1376 Mundo … que… se 1376 Eu sigo por ti 1377 E procuro-te no céu 1377 Simplex… feroz audácia 1377 Nunca se escreverá o fim 1378 Vive a paixão 1378 Outro lado da linha – adrenalina 1378 Para este amor recordar 1379 Perdoa este homem 1379 Que se chama amor 1379 No toque, toque 1380 Fado do labor e Amor 1381 Sou poeta afinal 1381 Cabelos ao vento 1383 Flash de paixão loura 1383 Para a minha deusa 1385 Fado do canta, canta rouxinol 1385 Ser poeta é…. 1385 Eu aqui há espera 1386 O relógio toca, toca 1386 Agora tão só 1388 Sonhos e a luz 1388 São mitos urbanos 1388 Amanhã vou pedir perdão 1390 Oh meu amor de perdição 1390 Não vale pena, não 1391 Só penso em ti 1391 Na pompeia do a-mar 1392 Depois de tanto tempo 1392 É a paixão 1392 Porque a minha alma 1393 A paixão dói 1393 Alma, coração, não vai não. 1393 7ª parte 1394 Trabalha… trabalhar 1394 As garras de um leão 1394 Dos castelos eternos do meu amor 1395 O vento de Coimbra 1395 Dor tão fulcral 1396 Mundo … que… se 1396 Eu sigo por ti 1397 E procuro-te no céu 1398 Simplex… feroz audácia 1398 Nunca se escreverá o fim 1399 Vive a paixão 1399 Outro lado da linha – adrenalina 1399 Para este amor recordar 1400 Perdoa este homem 1400 Que se chama amor 1401 No toque, toque 1401 Fado do labor e Amor 1402 Sou poeta afinal 1403 Flash de paixão loura 1405 Para a minha deusa 1406 Fado do canta, canta rouxinol 1407 Ser poeta é…. 1407 Eu aqui há espera 1407 O relógio toca, toca 1408 Agora tão só 1409 Sonhos e a luz 1410 São mitos urbanos 1410 Amanhã vou pedir perdão 1412 8ª letras 1412 Uma melodia 1412 Vermelho 1413 O FOGO 1413 O! Heróis 1413 quem é amigo? 1414 CONTInuação do sal 1414 Somos bons rapazes 1414 A solução para tudo 1415 nasci em musica 1415 9ª Letras musicais 2222 1415 É tão Bom fazer as pazes 1415 Teu Luar quero encontrar 1416 Passarada sobre a ruela 1416 Eu Procuro Somente 1416 No jogo de sedução canto 1417 Arte Quântica – Arte Crística – Alquimista 1417 final - Entrevista ao Jornal de Soure - 20 anos de Carreira de Celso Prei

Informação indisponível
Pessoal
Tipo de licença Permissão de impressão
Acesso Perpétuo não permitido
Aluguer não permitido


Leitura online: um utilizador por sessão (sem simultaneidade)
Leitura offline (com a APP): máximo de 2 dispositivos em simultâneo

Institucional

Se o e-book que deseja adquirir se destinar a uma biblioteca ou instituicao por favor contacte a MARKA Lda para mais informacoes:

Email: [email protected]
Telefone: + (351) 21 322 4040
Fax: + (351) 21 322 4044


Morada:
Rua dos Correeiros, 61,3º Andar
1100-162 Lisboa
Portugal